Projeto maringaense vence Prêmio Inovare
a
TWITTER
b
FACEBOOK
x
INSTAGRAM
r
YOUTUBE

 

Projeto maringaense vence Prêmio Inovare

05/12/2017


Projeto maringaense vence Prêmio Inovare


O Instituto Innovare anunciou hoje, dia 5, os vencedores da 14ª edição do prêmio Innovare, que reconhece e divulga medidas transformadoras no sistema de justiça para que elas possam ser replicadas em todo o país. Ao todo, 710 práticas foram 710 inscritas. Foi o segundo maior número de trabalhos julgados desde a criação do prêmio, em 2004.

Na categoria “Justiça e Cidadania” venceu o projeto de autoria do maringaense, Antonio Tadeu Rodrigues, presidente do Conselho Comunitário de Segurança de Maringá (CONSEG).’ Visão de Liberdade’ é desenvolvido na Penitenciária Estadual de Maringá (PEM) consiste na utilização da mão de obra dos detentos para confecção de materiais didáticos para alunos cegos da rede estadual de ensino.

No total, foram premiadas seis categorias: Tribunal, Juiz, Ministério Público, Defensoria Pública, Advocacia e Justiça e Cidadania. Este ano, houve uma categoria destaque para premiar uma iniciativa que busque aprimorar o sistema penitenciário. A vencedora desta categoria já foi anunciada: “Meninas que encantam”, de Marcus Karbage e Aline Cabral, de Fortaleza. Os vencedores das demais categorias serão conhecidos hoje.


Diretor da FCV presente na premiação

José Carlos Barbieri, diretor geral da Faculdade Cidade Verde (FCV) acompanhou Rodrigues (autor do projeto) na premiação, que lhes foi entregue pela advogada geral da União, Grace Mendonça. A solenidade aconteceu no Supremo Tribunal Federal (STF) em Brasília (DF).

 

Visão de Liberdade

No projeto são desenvolvidos livros de impressão em braille, livros falados, materiais em relevo, maquetes e jogos adaptados. O material é distribuído para 127 municípios do Paraná atendidos pelo Centro de Apoio Pedagógico de Maringá (CAP).

De acordo com o Depen, nos 13 anos de duração do projeto já foram produzidos 84.820 materiais didáticos em relevo, 453 livros e 54 apostilas digitados, e 126 livros e 12 apostilas falados – em diversas cópias. Além dos municípios atendidos pelo CAP de Maringá, o projeto já mandou materiais para outros estados e para Portugal.

O projeto custa R$ 12 mil por ano.

 

Assessoria de Comunicação – FCV


 

 

Compartilhe com seus amigos:

 

Voltar